sábado, abril 29, 2006

NOVO BLOG

Aos amigos que têm visitado este espaço, informo que criei um novo blog para publicar textos de minha autoria como crônicas, contos, poesias, artigos e histórias baseadas em fatos reais. Deixei este aqui para publicar assuntos relacionados a meu trabalho bem como alguns projetos de leitura e escrita criados por mim. Sendo assim, retirei daqui alguns textos que havia publicado antes e os coloquei no meu novo blog.
Será um prazer receber a visita dos amigos. Visite-o!
www.reflexosdaestrada.blogspot.com

sexta-feira, abril 28, 2006

PROJETO CONTO DE FADAS




APRESENTAÇÃO


Considerando-se que em 2005 comemorava-se o bicentenário de Hans Christien Andersen, criei um projeto baseado em contos de fadas para a turma de ciclo inicial com atividades que visassem favorecer o processo de alfabetização. Conversei com as crianças sobre as histórias que conheciam apresentei-lhes outras, enfim, exploramos o assunto ao máximo e o resultado foi muito positivo.




OBJETIVOS


*Apresentar aos alunos um pouco da história de Andersen,
*Levá-los a refletir sobre os componentes que são comuns à maioria dos contos de fadas,
*Provocar a curiosidade e conseqüentemente, o gosto pela leitura,
*Despertar a criatividade e imaginação,
*Incentivar a produção de textos.



DESENVOLVIMENTO



Iniciei com uma conversa informal sobre as histórias infantis. Perguntei aos alunos quais eram as suas histórias preferidas, quais eram conhecidas, como ficaram conhecendo...
Em seguida falei-lhes sobre um dos autores de contos de fadas, Andersen, e que estávamos comemorando duzentos anos de seu nascimento. Disse-lhes que apesar do tempo passado, as histórias continuam encantando crianças até hoje. Separei umas histórias de Andersen, mas não me prendi apenas a elas. Contei outras também. E assim, a cada dia contava uma história diferente. A cada história apresentada, analisávamos o título, as letras iniciais de cada palavra que o compunha e contávamos as letras.
A primeira delas foi “O Soldadinho de Chumbo”. Contei a história e os alunos refletiram e conversaram sobre ela. Como atividade complementar, fizeram corações de cola colorida onde prenderam flores de papel crepom simbolizando o Soldadinho e a Bailarina no final da história.
Em outra ocasião contei-lhes a história de “Branca de Neve e os Sete Anões”.Estávamos ainda no primeiro bimestre do ano letivo. Entreguei-lhes figuras com cenas da história para que colocassem na ordem certa da seqüência de fatos narrados, colorissem e depois copiassem as frases colocadas no quadro referente a cada figura. Depois montamos livrinhos individuais.
Em outro dia contei-lhes a história de “Chapeuzinho Vermelho” e após conversarmos sobre o aspecto moral da história, sugeri a eles que pensassem em um final diferente para o mesmo conto. Eles criaram coletivamente um novo final. Cada aluno ia dando suas idéias e eu anotava tudo no quadro. Propus também outra atividade: uma dobradura onde fizeram o chapéu da personagem e desenharam o rosto, o corpo e o cenário, após colarem o chapéu em uma folha de papel.
No dia seguinte contei-lhes a história da Bela Adormecida. Coloquei também a cantiga de roda “A linda Rosa Juvenil” para que ouvissem e fizessem um paralelo entre a história e a letra da música. Também aprenderam a brincadeira de roda no pátio da escola.
A história seguinte foi a do “Patinho Feio”. Aproveitei para que estudassem a palavra “pato”. Fizeram ilustrações para a história.
Depois li a história do “Pinóquio”. Fizemos muitas reflexões sobre o comportamento do boneco de madeira, os perigos a que se expunha e resolvemos fazer uma releitura da história. Foi uma produção coletiva onde cada aluno contribuía com sua idéia.
Também li “A Pequena Sereia” e pedi que fizessem dobraduras de peixinhos para organizarmos um cartaz.
Apresentei-lhes também “A roupa Nova do Rei”. A partir daí, propus que criassem o seu próprio conto de fadas coletivamente. Fizemos um estudo sobre os componentes como, princesas, bruxas, reis, o bem vencendo o mal, madrastas, etc.Combinamos democraticamente o que entraria e o que não entraria em nossa história e só aí começaram a criar o enredo. Decidiram que a madrasta não seria má. Curioso também é que não quiseram colocar nenhuma bruxa como vilã, e sim ladrões. Acho que foram influenciados pela atualidade.
Fiz essas oficinas de criação de texto durante uma semana e ao mesmo tempo, em momentos diferentes, logicamente, dei continuidade à prática de contar histórias diariamente. Contei a da “Cinderela”, do “João e o pé de feijão”, “Polegarzinha”.
Quando concluíram a história, parti para as oficinas de ilustração do livro da turma. As crianças fizeram vários desenhos, coloriram e selecionamos alguns. Deram ao conto de fadas o neme de "A Princesa Rosa e os ladrões do reino".
Durante todo o desenvolvimento do projeto, os trabalhos iam sendo expostos em murais na escola.

sexta-feira, abril 07, 2006

PROJETO CORPO SARADO


Aqui está o resumo do projeto que resultou no livro "Corpo Sarado, Uma Aventura na Vila Olímpica". Na verdade está bem resumido mesmo, pois este projeto foi bem grande e cheio de detalhes, mas por aqui dá para se ter uma idéia.

PROJETO CORPO SARADO

Foi realizado um trabalho baseado projeto 'CORPO SARADO' proposto pela escola em parceria com Vila Olímpica.Resolvi lançar mão dos recursos de mídia para desenvolver o trabalho.Após muitas conversas sobre hábitos de higiene, prevenção de doenças e a importância da atividade física para um corpo saudável, ficou decidido que faríamos uma pequena reportagem com entrevistas para saber dos professores da Vila Olímpica como o esporte pode contribuir para a formação do corpo sarado.A turma foi dividida em seis equipes de reportagem, cada uma com três elementos.Primeiro decidimos quem faria o quê: fotografia, entrevista e operação de áudio. Depois escolhemos os professores entrevistados. Partimos então para a Vila Olímpica portando uma câmera fotográfica, um rádio-gravador com microfone embutido e a folha com as perguntas.Os alunos entrevistaram e manusearam os equipamentos com grande entusiasmo.Após a revelação das fotos, audição da fita gravada e digitação do trabalho, os alunos fizeram produções de textos, cada um relatando o que significou para eles a participação nesta experiência. Como os alunos gostaram muito do trabalho, resolvemos expandi-lo. Passaram então a entrevistar os professores do CIEP e outros funcionários como a diretora e coordenadora pedagógica da Vila Olímpica.Fizemos uma exposição das fotos e entrevistas no CIEP.Resolvemos ousar um pouco mais e partimos para as oficinas de produção coletiva de um livro de ficção onde os cenários da história fossem o CIEP e a V.O.


OBJETIVOS

-Conscientizar os alunos da importância da atividade física
-Levá-los a conhecer e a utilizar equipamentos normalmente usados pela mídia
-Trabalhar a leitura e a oralidade
-Valorizar o trabalho em equipe
-Incentivar a produção de texto com o relato da experiência

PROJETO BRINCAR NA RUA


BRINCAR NA RUA

Tarde?
O dia dura menos que um dia.
O corpo ainda não parou de brincar
E já estão chamando da janela:
É tarde.
Ouço sempre este som: é tarde, tarde
A noite chega de manhã?
Só existe a noite e seu sereno?
O mundo não é mais depois das cinco?
É tarde.
A sombra me proíbe.
Amanhã, mesma coisa.
Sempre tarde antes de ser tarde.

(Carlos Drummond de Andrade)


BRINCAR NA RUA (PROSA)
Era uma vez umas crianças que adoravam brincar na rua.Eles jogavam bola, soltavam pipa, pulavam corda, amarelinha,pique, todas as brincadeiras que se possa imaginar...Só que todos os dias, quando a brincadeira começava a ficar legal...Apareciam as mães dizendo: é tarde, está na hora de ficar em casa. O jeito era entrar e esperar pelo dia seguinte!

APRESENTAÇÃO
Foi feito um trabalho para celebrar o centenário de Carlos Drumond de Andrade com Educação Infantil de maneira acessível e agradável, tendo em mente que o objetivo principal não é fazer uma profunda reflexão sobre a vida e a obra do autor, já que a faixa etária não permite, mas introduzí-los gradativamente no mundo da poesia para que desde já , comecem a familiarizar-se com a linguagem poética.O uso do gravador para que os alunos ouvissem a própria voz foi feito, primeiro com o objetivo de quebrar a barreira da inibição para que depois fossem entrevistados com perguntas formuladas dentro do contexto da poesia "Brincar na Rua". Nessa atividade também foi possível trabalhar a identidade, já que cada um ouvia e percebia a sua própria voz, bem como no fato de fotografá-los brincando para que percebessem cada um a sua imagem.Usando um texto em prosa para que pudessem entender melhor o significado da poesia e registrar suas falas criando uma produção de texto coletivo, fechou-se a questão da convergência de mídia, com a criação de um pequeno livro.Com seus desenhos e pinturas expostos na sala de aula bem como o texto original de Drumond e a prosa baseada na poesia, o trabalho foi concluído com a consciência de que houve efetiva participação, envolvimento e inclusão de cada aluno da turma.

OBJETIVOS
-Oportunizar aos alunos os primeiros contatos com a linguagem poética apresentada no texto deDrummond
-Resgatar as brincadeiras infantis como um dos aspectos da cultura popular
-Ressaltar a importância do respeito aos limites impostos pelos pais
-Estimular a expressão artística através da pintura a partir do tema proposto: brincadeira de rua
-Trabalhar a identidade apresentando equipamentos utilizados pela mídia ( gravador, câmera fotográfica, livro).

DESENVOLVIMENTO:
Em primeiro lugar, apresentei-lhes a poesia de Carlos Drummond, dizendo-lhes que a poesia é um jeito diferente e mais bonito de dizer alguma coisa. Falei-lhes superficialmente sobre a vida de Carlos Drummond e que em 2002 seria celebrado o centenário de seu nascimento. Como eram alunos muito pequenos, criei um texto em prosa para que entendessem melhor a poesia. Depois pedi a eles que recontassem oralmente a história e registrei em um bloco criando assim um texto coletivo. Os alunos também fizeram desenhos para ilustrar a história e os expusemos em sala de aula.No dia seguinte com o auxílio de um rádio-gravador, entrevistei-os perguntando nome, idade, se brincam ou não na rua e por que. Os alunos adoraram a atividade, alguns ficaram tímidos, mas aos poucos iam perdendo a inibição. Ficaram entusiasmados ao ouvir a própria voz no gravador.Fizeram pipas de recorte e colagem e depois as decoraram com cola colorida e colocamos no mural.Em seguida levei-os ao parquinho e ensinei-lhes algumas brincadeiras de rua que atualmente quase não se usam mais. Depois os fotografei brincando e após revelar as fotos, coloquei-as no mural.Também fizeram colagem, um mosaico com papel glacê dentro de um círculo, simbolizando uma bola. Para terminar, fiz uma associação do poema com a música do grupo molejo “Brincadeira de Criança”, criei uma coreografia e os alunos apresentaram para toda a escola.

quarta-feira, abril 05, 2006

PROJETO ALERTA ÁGUA


Este livro é resultado do projeto "Alerta Água" onde procurei mostrar aos alunos tudo relacionado à água, inclusive as lendas brasileiras que têm como cenário o ambiente aquático. Eles então juntaram a Iara e o Boto numa história bem divertida. A seguir um resumo do projeto que pode ser adaptado à turma e à idade dos alunos.
OBJETIVOS:
*Apresentar aos alunos um pouco da vida dos animais aquáticos;
*Levá-los a refletir sobre a importância da água para o homem e os demais seres vivos;
*Mostrá-los que a água se apresenta de três formas na natureza;
*Ressaltar a importância de manter limpos os rios e os lagos;
*Conscientizá-los que é preciso preservar rios e mananciais, bem como economizar água no dia a dia sob pena de vir a faltar água no planeta futuramente.
RECURSOS:
Livros didáticos, literatura infantil, vídeos, desenhos, cartazes, revistas, textos diversos.
DESENVOLVIMENTO:
Durante todo o projeto os alunos foram lembrados sobre a importância de se economizar água no dia a dia sob pena de vir a faltar água no futuro.Iniciei o projeto com uma conversa sobre os animais aquáticos e na ocasião os alunos coloriram folhas mimeografadas com desenhos de animais aquáticos.Também mostrei alguns animais que confeccionei com garrafas PET (peixe, camarão, polvo, siri, ostra, tartaruga marinha e estrela-do-mar ) e aproveitei para falar um pouco sobre reciclagem.Pedi que trouxessem garrafinhas para que eu fizesse o polvo ou a tartaruga, de acordo com a escolha do aluno.Exibi o vídeo “Procurando Nemo” da Disney Pixar para a turma ter uma idéia da biodiversidade marinha e das correntes marítimas.No segundo dia, narrei a história “A sementinha” que fala sobre a necessidade que as plantas têm de receber água e calor para que ocorra a germinação. Finalizei com a montagem feita de desenho,origami, pintura a lápis e hidrocor e colagem.Na etapa seguinte, contei a história “Plim, a gotinha” que explica de forma simples e acessível o ciclo da água na natureza. Os alunos fizeram colagem de nuvens e rios com papel crepom esquematizando o ciclo da água.Dando continuidade ao projeto, apresentei os desenhos de uma baleia e de um camarão. Embaixo de cada desenho coloquei os respectivos nomes. Perguntei-lhes com quais letras começam e terminam cada palavra.Depois fiz com que contassem as letras de cada uma das palavras.Mandei que apontassem a que tinha mais letras e a que tinha menos. Lembrei-lhes que os animais aquáticos são aqueles que vivem na água e os fiz saber que baleia não é peixe e sim um mamífero.Fizeram exercícios mimeografados ligando as palavras baleia e camarão aos desenhos e cobriram as palavrinhas pontilhadas.Para que entendessem melhor a questão dos estados físicos da água, usei como exemplo as panelas com água fervente para que pensassem no vapor e mostrei uma garrafinha com água congelada para exemplificar o estado sólido. Conversei sobre as geleiras e a neve em lugares distantes daqui e lhes falei superficialmente sobre a era glacial para em seguida exibir o filme “A era do gelo”.Aproveitando o Dia do Índio falei sobre o cuidado que o índio tem com a natureza e os rios e contei-lhes a história “O Belo Riozinho”que fala sobre a poluição dos rios. Cada aluno fez um desenho retratando um rio poluído e um rio limpo.Iniciando a conversa sobre as utilidades da água, li para os alunos o livro “Por que economizar água?” e em seguida os alunos listaram as formas que utilizam água no dia a dia. Depois, fizeram desenhos sobre o assunto e montamos um cartaz.Para aproveitar o tema Descobrimento do Brasil, falei-lhes sobre as navegações e os meios de transportes marítimos em geral. Aproveitei também para conversar sobre os esportes praticados na água. Os alunos fizeram barquinhos de dobradura.Para exemplificar a água como inspiração de lendas do folclore brasileiro, contei-lhes as lendas do Boto e da Iara. Em seguida pedi que criassem um texto onde entrassem os dois personagens.Finalizando o projeto narrei a história “O Sonho de Tati” criada por mim para que imaginassem o futuro do planeta Terra se a água vier a faltar. Conversamos,fizemos reflexões e concluímos que o melhor que podemos fazer é começar a preservar desde já.

PROJETOS



Desde 2005 trabalho na Escola Municipal Pires e Albuquerque. Trabalhei também na Escola Municipal Amapá e no CIEP Dom Oscar Romero. Em todas estas escolas realizei vários projetos de leitura e escrita utilizando instrumentos da mídia como recursos. Todos os meus projetos culminam com produções de textos individuais e/ou coletivos. Tenho vários livros produzidos com os alunos. Na E.M. Pires e Albuquerque, trabalhei Contos de Fadas, para homenagear o bicentenário de Andersen, o que resultou no livro "A Princesa Rosa e os Ladrões do Reino".Também trabalhei o projeto "Alerta Água...Pensando no Futuro" e estou dando continuidade ao mesmo neste ano de 2006. Também criei o Blog cujo endereço é: http://www.pires2006.turma303.zip.net/, onde os alunos estão publicando seus trabalhos. Na Amapá trabalhei o tema "Violência" e projetos da revista Época. No Dom Oscar Romero Trabalhei o projeto "Quem plantar a Paz, vai colher Amor", que era o projeto político pedagógico do CIEP. O resultado foi o livro "Para Pedro Pede Paz". Também tenho livros e textos de minha autoria que posteriormente publicarei aqui.

sábado, abril 01, 2006

Meu trabalho no CIEP ZUMBI DOS PALMARES



Trabalhei no CIEP Zumbi dos Palmares de 1999 até 2004. Lá realizei vários projetos interessantes na área de educação, atuando como professora de várias turmas naquela escola situada em uma comunidade extremamente carente. Além da produção do livro "Corpo Sarado, Uma Aventura na Vila Olímpica", que resultou de um trabalho de pesquisa onde os alunos assumiram o papel de repórteres com direito a equipes de reportagens, também participei do projeto "Carta Animada Pela Paz". O projeto da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro produziu um desenho animado, o "Simplesmente Acari" com participação de alunos e professores da rede. Chegamos a participar de festivais internacionais e do BR2002, aqui no Rio. Na ocasião estivemos bastante em evidência, chegando a gravar entrevistas e aparecer em programas jornalísticos da Rede Globo.

domingo, março 12, 2006

PREFEITO CÉSAR MAIA RECEBE EXEMPLAR DO LIVRO "CORPO SARADO"


Em visita à Vila Olímpica Clara Nunes o prefeito César Maia recebeu de nossas mãos um exemplar do livro"Corpo Sarado, Uma Aventura na Vila Olímpica", texto coletivo produzido pela turma de progressão do CIEP Zumbi dos Palmares em 2003, do qual eu coordenei as oficinas para a produção do mesmo.

domingo, março 05, 2006

RECONHECIMENTO



"Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus."(I Pedro 4:10)
É Deus quem nos capacita e o retribuímos, procurando fazer da melhor forma possível tudo o que nos cair às mãos para fazer. A Ele seja toda a honra, pois dEle procede todo o tipo de sabedoria.Temos que descobrir o que cabe a cada um de nós fazer para que a sociedade se torne um pouco melhor. Acredito que todo ser humano tem virtudes a serem cultivadas e colocadas em prática a favor de seu próximo. Se cada um de nós fizesse a sua parte teríamos um mundo mais justo.

quinta-feira, março 02, 2006

quarta-feira, março 01, 2006

BRASIL 500 ANOS


Fiz este painel com tinta óleo no CIEP Zumbi dos Palmares no ano 2000, quando comemoravam-se os quinhentos anos do descobrimento do Brasil.

CONSCIÊNCIA CRÍTICA

Eu acredito na educação como um dos fatores transformadores da sociedade. Tudo o que queremos é uma sociedade mais justa e cidadãos conscientes não só de seus direitos, mas também de seus deveres.
Fala-se muito em formação da consciência crítica no educando. Que ótimo, todos, ou quase todos, estamos nos empenhando nisso. Mas... e depois? Será que é só isso? De que adianta formar consciência crítica se não os incentivarmos a buscar caminhos de mudança? Vão passar o resto de suas vidas apenas criticando, pois foi o que fomos capazes de formar neles: a bendita consciência crítica. Serão infelizes, revoltados e em nada contribuirão para a sociedade, pois só o que saberão fazer é criticar.
É preciso mostrar aos jovens que existem novos horizontes. Que eles precisam e muito ter senso crítico, sim, mas que não podem cair em conformismo , têm que armar-se de recursos para sair em busca de uma sociedade melhor. E não é só na escolha de governantes, mas também na escolha do próprio projeto de vida.
A nossa luta é desigual, pois muitas vezes até a mídia se faz adversária, invertendo valores éticos e morais. Muitas vezes os bandidos são transformados em heróis e muitos acham que não vale a pena ser "do bem".
A família que deveria ser nossa aliada, na maioria das vezes se omite. Ultimamente o que vemos é que as famílias têm deixado para a escola toda a responsabilidade de educar seus filhos, quando na verdade o papel principal deveria ser delas. Só que essas famílias geralmente são formadas de maneira inconsequente, com meninas-mães, que mal têm condições de cuidar de si mesmas e já se vêem com a responsabilidade de educar(?) uma criança.
Muitas crianças e jovens chegam à escola confusos e sem referenciais e crescem sem perspectivas de mudar a própria sorte, que dirá a sociedade! Tornam-se adultos revoltados e incapazes.Não têm forças e nem vontade lutar por um futuro melhor. Na melhor das hipóteses conformam-se com a vida e tentam ser felizes procurando ignorar a sua real situação.
Precisamos mostrar que existe vida além dos barracos da favela. Que o tráfico de drogas não é a única alternativa para suas vidas. Temos que lhes dar exemplos de pessoas que romperam com as dificudades e foram bem-sucedidas.Temos que incentivá-los a desenvolver seus talentos e habilidades e criar neles o desejo de lucrar com o que têm em si. É necessário que experimentemos novas formas de educá-los onde eles sejam agentes da própria aprendizagem e sintam o quanto são importantes. Precisamos apostar no resgate da auto-estima e buscar formas de tornar a escola um ambiente agradável e a aprendizagem o mais prazerosa possível. É preciso também que sejamos realistas e mostremos que as coisas não acontecem, simplesmente. Que nada é fácil, principalmente para quem vem de origem humilde, mas que não devem desistir diante dos primeiros obstáculos, pois só vencem os que sabem lutar.


Márcia C. Neves Reis

terça-feira, fevereiro 28, 2006

Oficina de Desenho Animado


Esta foi uma das oficinas que participei para a produção de desenho animado. Eu e uma equipe de professores da rede municipal juntamente com alunos, aprendemos técnicas de animação. O resultado foi o curta "Simplesmente Acari", com roteiro e desenhos criados pelas crianças de três escolas da região. Este projeto chama-se "Carta Animada Pela Paz", uma iniciativa da Multirio, que posteriormente produziu outros curtas, recebendo inclusive prêmios em festivais internacionais. Eu estou de blusa preta, em pé, na foto.

O livro que a turma de progressão do CIEP produziu sob minha orientação



História criada coletivamente sob minha orientação por alunos de uma turma de progressão, adolescentes que estavam com a idade defasada em relação à série ou período escolar. Na época as idades destes alunos variavam entre doze e dezesseis anos.

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

MEU TRABALHO CIEP NO ZUMBI DOS PALMARES


Trabalhei no CIEP Zumbi dos Palmares de 1999 até 2004. Lá realizei vários projetos interessantes na área de educação, atuando como professora de várias turmas naquela escola situada em uma comunidade extremamente carente. Além da produção do livro "Corpo Sarado, Uma Aventura na Vila Olímpica", que resultou de um trabalho de pesquisa onde os alunos assumiram o papel de repórteres com direito a equipes de reportagens, também participei do projeto "Carta Animada Pela Paz". O projeto da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro produziu um desenho animado, o "Simplesmente Acari" com participação de alunos e professores da rede. Chegamos a participar de festivais internacionais e do BR2002, aqui no Rio. Na ocasião estivemos bastante em evidência, chegando a gravar entrevistas e aparecer em programas jornalísticos da Rede Globo.

Eu e o painel do Zumbi


Eu e o painel que fiz no CIEP Zumbi dosPalmares.

Painel do Zumbi dos Palmares


Fiz este painel no ano de 2003 utilizando tinta óleo. Retrata Zumbi dos Palmares e os escravos trabalhando na lavoura.

OUTRA FOTO DA ENTREGA DO LIVRO


Aqui está mais uma foto da entrega do meu livro a César Maia.

domingo, fevereiro 26, 2006

Entrega de meu livro ao prefeito César Maia


Em 2002 realizei um trabalho junto com a minha turma de progressão no CIEP Zumbi dos Palmares que resultou em um livro chamado "CORPO SARADO, UMA AVENTURA NA VILA OLÍMPICA". O projeto político pedagógico tinha como tema "Corpo Sarado" por causa da grande incidência de sarna e piolhos e também porque os alunos não estavam querendo ingerir os legumes do cardápio escolar. Resolvi fazer alusão às atividades físicas e o projeto fluiu tão bem que fizemos um livro e entregamos um exemplar ao prefeito César Maia.